Episódio 42 com Paulo Cezar Rotella (@Correndoporaí)

A primeira corrida da qual participou foi a Maratona Pão de Açúcar de Revezamento de São Paulo, em 1999, quando tinha 17 anos. Porém, a corrida realmente entrou na sua vida após o divórcio, em 2012. Mesma época que resolveu lançar o perfil “Correndo por aí” no Instagram. Um ano depois, participou da sua primeira maratona e então decidiu treinar para um Ironman.

Episódio 37 – Fernanda Paradizo

Filha de uma pedagoga, passou grande parte da sua infância e adolescência na escola. Além das atividades artísticas, praticou judô, handebol, basquete e vôlei. Antes dos 17 anos já ingressou na faculdade de jornalismo e dois anos depois, na faculdade de letras. Era revisora da revista Boa Forma, quando foi chamada para fazer uma matéria sobre a corrida. Conheçeu então o mestre em corrida, Wanderlei de Oliveira, que seria fator determinante no seu ingresso no mundo das maratonas, como corredora e jornalista.

Episódio 36 – Antônio Chaer

Meu convidado de hoje ingressou no esporte ainda muito jovem. Esse pequeno carioca, então com 14 anos, jogava volei e praticava natação, quando em 1991 experimentou seu primeiro biathlon. O convite partiu de alguns dos seus amigos, Armando Barcellos e Marcus Ornellas! Estreou nas águas geladas de Copacabana.

Episódio 34 – Íris Amoedo

Íris teve contato com diversos esportes desde cedo. Mas foi no tênis que competiu até os 16 anos, chegando a ficar entre as dez melhores brasileiras do juvenil. Se mudou para Santos com a família e começou a correr na praia, quando descobriu que levava jeito para a corrida. Depois de participar de algumas provas de rua, descobriu que haveria um triathlon na cidade. Seria a etapa santista do Troféu C&A, em 1987. No primeiro Troféu Brasil, em 1990, há exatos 29 anos, Íris foi a grande campeã.

Episódio 33 com Rafael Niro

Rafael já participou de corridas de aventura, triathlons e diversas provas de mtb. Trabalhando desde 2013 na TREK Bicycles, tem hoje, como gerente de mkt, a responsabilidade de fortalecer e expandir da presença da marca no Brasil.

Episódio 31 com Marcelo Holcberg

Muito antes do mensalão, da lava-jato ou da greve dos caminhoneiros, Marcelo resolveu largar tudo e se mudar para a terra do "tio Sam", em busca do seu sonho. Em 1996 ele decidiu abrir uma assessoria esportiva em Miami.

Episódio 30 com Nato Amaral

Meu convidado de hoje é um atleta amador, porém, daqueles que leva tão a sério sua paixão pelo esporte, que por muito pouco não poderia ser considerado um profissional. Digo isso não por causa dos seus resultados, que aliás são bastante respeitáveis, mas principalmente pela sua devoção à uma modalidade que ganha cada vez mais destaque a cada ano. Minha teoria é de que nas últimas décadas, as Maratonas, conhecidas como as rainhas das corridas de rua, deixaram de significar o sonho de consumo de uma parcela significativa dos corredores amadores. Como se os 42.185 metros tivessem se tornado, digamos, curtos de mais!

Episódio 28 com Carla Moreno

Minha convidada de hoje um dia resolveu participar de um triathlon. Escolheu o mais próximo no calendário e estreou logo no quente e úmido Internacional de Santos. Sua falta de prática e experiência não foram suficientes para faze-la se intimidar. Muito pelo contrário, logo na estréia numa prova de triathlon ela foi a quarta mulher a cruzar a linha de chegada! Naquele mesmo ano, 1996, sagrou-se campeã mundial júnior.

Episódio 23 com Ivan Albano

No triathlon desde 1991, quando ainda competia como júnior, até hoje, com 28 provas de Ironman no currículo (6 só em Kona) e três vitórias consecutivas no UB515, este paulista de Mogi Mirim vive desde então para o esporte, seja treinando para o próximo desafio, seja orientando e incentivando seu filho David (8 anos) ou seus alunos! Com vocês, IVAN ROBERTO DE CAMPOS ALBANO JUNIOR.

Episódio 21 com Carlos Galvão

O Ironman Brasil foi indiscutivelmente um divisor de águas. Uma organização impecável e sede dos atletas por provas de alto nível, associadas é claro, a uma das marcas mais icônicas do esporte mundial (avaliada em 2015 por US$ 650 Mi), transformou a arriscada jogada de Galvão e Betinho Azevedo (Track&Field), num business que em 2018, contará com 5 eventos oficiais da marca, além de 5 provas de entrada através do circuito TRIday.