Episódio 66 com Rafael Magalhães

Rafael estreou no IM de Kona em 84 e já em 87, após dar uma pausa na carreira de engenheiro, fez 9h41’, sendo o primeiro sul americano a baixar das dez horas. Voltou à competir no mundial em 88 e 89, estabelecendo o recorde brasileiro na época, com 9h28’.

Episódio 59 com Juraci Moreira

Meu convidado de hoje é mais uma caso de talento que foi revelado ainda jovem. Da natação na infância e começo da adolescência, este curitibano se interessou pelo triathlon aos 14 anos de idade. Aos 18 resolveu se profissionalizar e um ano depois já conquistaria o título de campeão brasileiro, sendo até então o mais jovem atleta a conquista-lo.

Episódio 58 com Emerson Gomes

A história do meu convidado de hoje é um exemplo perfeito da nossa capacidade de improvisar e principalmente de nos adaptar aos desafios impostos pela vida. Sem planejamento, este advogado acabou construindo uma carreira de sucesso que viria definir a sua vida desde os 18 anos até hoje.

Episódio 55 com Aglaé Menezes

Aglaé Menezes tem hoje 43 anos e adora estar próxima à natureza e a nadar, principalmente em competições de águas abertas. Começou a correr muito cedo, aos 8 anos e somente aos 11 foi apresentada à natação. Faltava então apenas a bicicleta, para que no ano seguinte, ela estreasse no triathlon. Deu tudo tão certo, que Aglaé foi onze vezes campeã brasiliense e tri-campeã sul americana júnior de triathlon.

Episódio 51 com Samir Barel

Meu convidado de hoje começou a nadar ainda criança, incentivado pelo irmão mais velho. Passou toda a infância e adolescência nas piscinas de Campinas, interior de São Paulo batendo recordes nas provas curtas de 50, 100 e 200 metros. Aos 25 anos experimentou a sua primeira maratona aquática, para logo depois sagrar-se tri campeão paulista na categoria. Até que em 2012, resolveu encarar desafios maiores e decidiu que enfrentaria as travessias mais casca grossa do planeta. Acabou se tornando um especialista em nadar longas distâncias.

Episódio 41 com Poliana Okimoto

Meses após viver o ponto mais baixo de sua carreira, nos Jogos Olímpicos de Londres 2012, Poliana superou a depressão resolveu ir atrás do seu sonho. Nadando em águas brasileiras, foi bronze na maratona aquática no Rio 2016. Conheça detalhes da história da primeira nadadora brasileira a ganhar medalhas em mundiais e também em Jogos Olímpicos, a atual recordista brasileira nos 1500 metros em piscina longa e escritora nas horas vagas, a grande Poliana Okimoto Cintra.