Sobre Endörfinabr

Esse autor ainda não preencheu quaisquer detalhes.
So far Endörfinabr has created 61 blog entries.

ESPECIAL brasileiros no Tour de France com Mauro Ribeiro

Com apenas 18 anos foi campeão mundial na pista, o que motivou seu pai a criar a equipe de ciclismo Cascatinha. Alguns anos depois, os resultados expressivos o levaram a conquistar uma vaga na equipe Caloi e após um ano, passou uma temporada no principal centro de formação de ciclistas da França. De lá saiu com um contrato com a francesa RMO, uma das maiores da época. Durante os seis anos que representou as cores da RMO, conquistou seus principais resultados, inclusive a gloriosa vitória nos 161km da 9a. etapa da Volta da França, justamente no dia 14 de julho de 1991, entre Alençon e Rennes.

Episódio 36 – Antônio Chaer

Meu convidado de hoje ingressou no esporte ainda muito jovem. Esse pequeno carioca, então com 14 anos, jogava volei e praticava natação, quando em 1991 experimentou seu primeiro biathlon. O convite partiu de alguns dos seus amigos, Armando Barcellos e Marcus Ornellas! Estreou nas águas geladas de Copacabana.

ESPECIAL brasileiros no Tour de France com Renan Ferraro

Em novembro de 1984, o paranaense Renan Ferraro recebeu uma ligação que mudaria a sua vida para sempre. O dono da equipe italiana Malvor Bottecchia Vaporella o convidava para integrar sua equipe e se tornar o primeiro ciclista brasileiro a correr profissionalmente na Europa.

Episódio 35 com Alberto Klar

Este carioca é considerado o primeiro técnico de triathlon do Brasil. Orientou em 1982 ninguém mais ninguém menos que Marco Ripper, Carlos Roberto Dolabella e Ronaldo Borges, os primeiros brasileiros a participarem do Ironman do Havaí. Migrou para a mais lucrativa natação e foi técnico do Esporte Clube Pinheiros durante 15 anos, treinando alguns ícones das piscinas como Jorge Fernandes, Gustavo Borges, Cassiano Leal entre outros. Em 2004, trabalhou com Carla Moreno, para os jogos de Atenas.

Episódio 34 – Íris Amoedo

Íris teve contato com diversos esportes desde cedo. Mas foi no tênis que competiu até os 16 anos, chegando a ficar entre as dez melhores brasileiras do juvenil. Se mudou para Santos com a família e começou a correr na praia, quando descobriu que levava jeito para a corrida. Depois de participar de algumas provas de rua, descobriu que haveria um triathlon na cidade. Seria a etapa santista do Troféu C&A, em 1987. No primeiro Troféu Brasil, em 1990, há exatos 29 anos, Íris foi a grande campeã.

Episódio 33 com Rafael Niro

Rafael já participou de corridas de aventura, triathlons e diversas provas de mtb. Trabalhando desde 2013 na TREK Bicycles, tem hoje, como gerente de mkt, a responsabilidade de fortalecer e expandir da presença da marca no Brasil.

Episódio 32 com Pâmella de Oliveira

Minha convidada de hoje é o que podemos considerar, uma atleta privilegiada. Com 10 anos de carreira, já participou de duas olimpíadas sendo a última delas aqui no Rio. Vinda da natação, Pâmella ingressou no triathlon aos 20 anos e vem construindo desde então uma sólida carreira.

Episódio 31 com Marcelo Holcberg

Muito antes do mensalão, da lava-jato ou da greve dos caminhoneiros, Marcelo resolveu largar tudo e se mudar para a terra do "tio Sam", em busca do seu sonho. Em 1996 ele decidiu abrir uma assessoria esportiva em Miami.

Episódio ESPECIAL com Fernanda Keller

Nesta edição remasterizada do episódio de lançamento do Endörfina, você ouve um BÔNUS de 25' com a rainha do triathlon brasileiro. Neste episódio ela dá sua opinião a respeito dos 35 anos do triathlon nacional, sobre os 40 anos do Ironman e seus planos para Kona 2018.

Episódio 30 com Nato Amaral

Meu convidado de hoje é um atleta amador, porém, daqueles que leva tão a sério sua paixão pelo esporte, que por muito pouco não poderia ser considerado um profissional. Digo isso não por causa dos seus resultados, que aliás são bastante respeitáveis, mas principalmente pela sua devoção à uma modalidade que ganha cada vez mais destaque a cada ano. Minha teoria é de que nas últimas décadas, as Maratonas, conhecidas como as rainhas das corridas de rua, deixaram de significar o sonho de consumo de uma parcela significativa dos corredores amadores. Como se os 42.185 metros tivessem se tornado, digamos, curtos de mais!