Episódio 40 com Alexandre Maximiliano

Carioca de alma e espírito, este oceanógrafo e professor de educação física, apaixonado pelo esporte da redonda desde a infância, correu muito atrás da bola e de pipas numa época em que ainda era seguro uma criança brincar pelas ruas. Um dia sonhou em ser triatleta. Afinal, já praticava natação e chegava primeiro que seus colegas nas pipas que perseguia. Morando na cidade onde surgiu o nosso esporte, foi fácil começar a competir. Estreou em 1987, foi bronze no Ironman do Havaí na categoria até 24 anos (1995), mesmo ano em que foi vice–campeão do Troféu Brasil e bronze também no campeonato sul-americano de 1996. Sagrou-se hexa-campeão carioca de duathlon entre outros títulos!

Episódio 37 – Fernanda Paradizo

Filha de uma pedagoga, passou grande parte da sua infância e adolescência na escola. Além das atividades artísticas, praticou judô, handebol, basquete e vôlei. Antes dos 17 anos já ingressou na faculdade de jornalismo e dois anos depois, na faculdade de letras. Era revisora da revista Boa Forma, quando foi chamada para fazer uma matéria sobre a corrida. Conheçeu então o mestre em corrida, Wanderlei de Oliveira, que seria fator determinante no seu ingresso no mundo das maratonas, como corredora e jornalista.

Episódio 36 – Antônio Chaer

Meu convidado de hoje ingressou no esporte ainda muito jovem. Esse pequeno carioca, então com 14 anos, jogava volei e praticava natação, quando em 1991 experimentou seu primeiro biathlon. O convite partiu de alguns dos seus amigos, Armando Barcellos e Marcus Ornellas! Estreou nas águas geladas de Copacabana.

Episódio 34 – Íris Amoedo

Íris teve contato com diversos esportes desde cedo. Mas foi no tênis que competiu até os 16 anos, chegando a ficar entre as dez melhores brasileiras do juvenil. Se mudou para Santos com a família e começou a correr na praia, quando descobriu que levava jeito para a corrida. Depois de participar de algumas provas de rua, descobriu que haveria um triathlon na cidade. Seria a etapa santista do Troféu C&A, em 1987. No primeiro Troféu Brasil, em 1990, há exatos 29 anos, Íris foi a grande campeã.

Episódio 33 com Rafael Niro

Rafael já participou de corridas de aventura, triathlons e diversas provas de mtb. Trabalhando desde 2013 na TREK Bicycles, tem hoje, como gerente de mkt, a responsabilidade de fortalecer e expandir da presença da marca no Brasil.

Episódio 32 com Pâmella de Oliveira

Minha convidada de hoje é o que podemos considerar, uma atleta privilegiada. Com 10 anos de carreira, já participou de duas olimpíadas sendo a última delas aqui no Rio. Vinda da natação, Pâmella ingressou no triathlon aos 20 anos e vem construindo desde então uma sólida carreira.

Episódio 31 com Marcelo Holcberg

Muito antes do mensalão, da lava-jato ou da greve dos caminhoneiros, Marcelo resolveu largar tudo e se mudar para a terra do "tio Sam", em busca do seu sonho. Em 1996 ele decidiu abrir uma assessoria esportiva em Miami.

Episódio ESPECIAL com Fernanda Keller

Nesta edição remasterizada do episódio de lançamento do Endörfina, você ouve um BÔNUS de 25' com a rainha do triathlon brasileiro. Neste episódio ela dá sua opinião a respeito dos 35 anos do triathlon nacional, sobre os 40 anos do Ironman e seus planos para Kona 2018.

Episódio 30 com Nato Amaral

Meu convidado de hoje é um atleta amador, porém, daqueles que leva tão a sério sua paixão pelo esporte, que por muito pouco não poderia ser considerado um profissional. Digo isso não por causa dos seus resultados, que aliás são bastante respeitáveis, mas principalmente pela sua devoção à uma modalidade que ganha cada vez mais destaque a cada ano. Minha teoria é de que nas últimas décadas, as Maratonas, conhecidas como as rainhas das corridas de rua, deixaram de significar o sonho de consumo de uma parcela significativa dos corredores amadores. Como se os 42.185 metros tivessem se tornado, digamos, curtos de mais!

Episódio 29 com Fernanda Von der Hayde

Conheça esta triatleta dona de uma história no mínimo inspiradora. Portadora de Espondilite Anquilosante, uma doença autoimune, sem cura e que afeta principalmente a coluna vertebral, Fernanda tem em seu currículo, além de três cirurgias na coluna, três 70.3 e um Ironman em Floripa. Prestes a participar pela segunda vez do Ironman, ela conta aqui sua trajetória. O que pensa esta pessoa dona de uma força de vontade, determinacão, resiliência e coragem dignas do verdadeiro espírito do Ironman?