Episódio 12 com a família Werneck

Neste episódio histórico do Endörfina conversei com os pais do triathlon brasileiro.

Conheça aqui o casal que foi responsável por descobrir o então novíssimo esporte do triathlon (3 anos de existência) em uma conversa durante uma viagem que o casal fez a Honolulu em 1981, para cobrir a Maratona daquela cidade. Felizmente o espírito empreendedor do jornalista carioca José Inácio Werneck e sua esposa, a inglesa Dawn Webb, o fez ter a idéia de trazer o novo esporte para o Rio de Janeiro. Nascia então o triathlon brasileiro! A primeira edição, chamada informalmente de Corrida Alegre, aconteceu em fevereiro de 1982. Por exigência da Escola de Educação Física do Exército, porém, o ciclismo seria a última modalidade desta primeira prova. Dos quase mil inscritos, cerca de 320 pessoas optaram por participar das três modalidades do evento que começou com 500 metros de natação as 6h45 na Urca. Depois os participantes correram 8km pela praia de Botafogo e pedalaram do Urca até o centro da cidade passando pelo aterro, chegando no Museu de Arte Moderna. O primeiro a sair da água foi o falecido nadador olímpico (posteriormente foi cantor e ator Global) Rômulo Arantes (patrocinado para este evento pela Caloi!), seguido de perto por Carlos Roberto Dolabella e Marco Ripper (ambos da equipe HASPA). O caráter da prova foi recreativo (daí o nome) e houve mais de uma largada para quem não queria nadar. Uma matéria no jornal do Brasil, escrita por José Inácio um dia após o evento, relata a participação de uma jovem de 10 anos (Alexandra Viana) e a presença da nadadora, também olímpica, Maria Lenk como espectadora. O “pódio” masculino: Dolabella, Ripper e Rômulo.

Um ano depois, em 1983, já na ordem tradicional, Werneck organizou o triathlon Café do Brasil, também no Rio de Janeiro, que contou com a participação de estrangeiros convidados e teve a vitória de Roger de Moraes. O resto é história!

Werneck foi também um dos responsáveis pela realização da 1. Maratona do Rio de Janeiro, em 1980. Curiosamente nunca foi atleta e mesmo sua esposa, começou a correr, por acaso, aos 33 anos e uns poucos anos depois passou para o triathlon. Dawn contou em nossa conversa como foi a primeira das suas duas participações no Ironman do Havaí, em 1983, apenas alguns meses após ter vencido em sua estréia no esporte. Um detalhe: Dawn só nada peito! Ela ainda voltou ao Havaí no ano seguinte e participou de diversas provas.

O casal teve duas filhas, Sarah e Rebecca. Esta última, treinada pela mãe, competiu entre 1987 e 1990, chegando a vencer diversas provas. Rebecca, hoje com o sobrenome Stephenson e mãe de três, equilibra uma vida entre a famílía, uma escola de triathlon e seus próprios treinos.

Os Werneck se mudaram para os Estados Unidos em 1990, interrompendo sua ligação com o triathlon, mas após um hiato de alguns anos, mãe e filha voltaram a competir e a vencer diversas provas nos EUA, além de campeonatos mundiais. Ironicamente, o pai do triathlon brasileiro estreou no esporte que lançou por aqui, apenas em 2011, e até hoje continua incomodando seus adversários.

Dawn foi bicampeã mundial de Triathlon (2011 e 2012) e também bicampeã mundial de Duathlon (2013 e 2017) em sua categoria.

José Inácio Werneck, quarto colocado no Mundial de Triathlon deste ano, mantém um blog muito bacana na Gazeta Esportiva, onde fala de esporte, é claro!

Ouçam minha conversa com Inácio, Dawn e Rebecca Werneck.

Aproveitem!

 

– LINKS MENCIONADOS DA CONVERSA DE HOJE –

 

Campo Neutro – Blog do José Inácio Werneck

Maratona de Honolulu

Ironman Havaí 1981

Maria Lenk

Rômulo Arantes

Avon Ladies Marathon 1980

Kids Who Tri Suceed

Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro